Comentários estão desligados para este post

Papa recebido em clima de festa numa visita inédita em Mianmar

Francisco antecipou encontro privado com Francisco comandante do Exército, general Min Aung Hlaing

Rangum, 27 nov 2017 (Ecclesia) – O Papa Francisco chegou hoje a Rangum, tornando-se o primeiro pontífice a visitar o Mianmar, na sua 21ª viagem internacional.

Após 8584 quilómetros e mais de 10 horas de voo, Francisco foi recebido no aeroporto internacional da capital da antiga Birmânia por um ministro-delegado do presidente, juntamente com todos os bispos da Conferência Episcopal.

Várias crianças das paróquias da cidade e dos arredores ofereceram flores ao Papa, num acolhimento em que não foram proferidos discursos.

O Papa fica alojado no paço arquiepiscopal dado que no país ainda não existe uma Nunciatura Apostólica – as relações diplomáticas com a Santa Sé só foram estabelecidas há alguns meses.

Francisco antecipou para hoje o encontro privado, inicialmente previsto para quinta-feira, com o comandante do Exército, general Min Aung Hlaing, em Rangum.

O encontro concluiu-se com o intercâmbio de dons: o Papa ofereceu uma medalha da viagem, o general, uma harpa em forma de barco e uma tigela decorada, informa o jornal do Vaticano.

A cerimónia oficial de boas-vindas está marcada para esta terça-feira, no palácio presidencial, em Nay Pyi Taw.

O Papa seguiu diretamente para a sede da arquidiocese, que fica na parte centro-oriental da cidade, num percurso de 18 quilómetros; segundo a Rádio Vaticano, no trajeto, percorrido em carro fechado, Francisco pôde acenar a milhares de pessoas reunidas em oito pontos organizados, que o receberam com bandeiras e cânticos.

No tradicional telegrama enviado ao presidente da Itália, ao deixar o país, o Papa referiu que partia como “peregrino da paz, para encorajar as pequenas mas fervorosas comunidade católicas e encontrar-se com os crentes de várias religiões”.

Ao longo do voo foram enviadas mensagens aos chefes de Estado da Croácia, Bósnia-Herzegovina, Montenegro, Sérvia, Bulgária, Turquia, Geórgia, Azerbaijão, Turquemenistão, Afeganistão, Paquistão e Índia, à medida que estas nações eram sobrevoadas.

Até 2 de dezembro, Francisco é o primeiro Papa a visitar a antiga Birmânia, país de maioria budista, e o segundo no vizinho Bangladesh, de maioria muçulmana.

Os dois países estão no centro de uma crise humana por causa da fuga da minoria rohingya.

Neste regresso à Ásia, quase três anos depois, o Papa vai percorrer mais de 17 mil quilómetros, numa agenda que inclui encontros com a Prémio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, chefe do Governo; responsáveis políticos, líderes católicos e com o Conselho Supremo dos Monges Budistas de Mianmar.

No Bangladesh, o Papa Francisco vai visitar o memorial nacional aos mártires de Savar, falando a autoridades políticas e religiosas.

Um “pequeno grupo” de refugiados rohingya vai estar presente num encontro inter-religioso pela paz na capital de Bangladesh, Daca, na tarde de 1 de dezembro, adiantou o porta-voz do Vaticano.

O programa inclui um momento inter-religioso de oração pela paz.

OC

Notícia atualizada às 09h59