Comentários estão desligados para este post

Cinema em 2018: Doze meses, doze filmes

Uma proposta de filmes para ver em 2018. Alguns já com estreia marcada para Portugal, outros é possível que não cheguem ao circuito comercial mas poderão, provavelmente, ser vistos em DVD. Do drama ao documentário, da comédia à inspiração histórica, da Bíblia ao humanismo, da Igreja ao mundo, os temas são múltiplos e abertos à reflexão individual e em grupo.

 

A hora mais negra
Realização: Joe Wright | Reino Unido | 2017 | Drama, histórico | Estreia em Portugal: 11 de janeiro

Filme sobre Winston Churchil, primeiro-ministro britânico no momento em que as tropas nazis ameaçam uma invasão a Inglaterra. As opções são negociar com o inimigo ou lutar pela libertação. A decisão é forjada entre os corredores do parlamento, a vida quotidiana e uma viagem surpreendente no metro. O sentido do sacrifício pelo valor da liberdade implicava um compromisso de raízes espirituais de um povo.

 

Human flow (Maré humana, trad. oficiosa)
Realização: Ai Weiwei | Alemanha | 2017 | Dcumentário | Estreia em Portugal: 15 de fevereiro

Documentário sobre a crise mundial dos refugiados pelo artista e ativista chinês Ai Weiwei. Filmado em 23 países, oferece um número impressionante de testemunhas e um impulso ético implacável. Mais de 65 milhões de migrantes que fogem da fome, das mudanças climáticas e da guerra em seus países de origem fazem deste filme um sincero apelo à empatia e à aliança da humanidade.

 

Maria Madalena
Realização: Garth Davis | Reino Unido | 2017 | Estreia em Portugal: 22 de março

O realizador de “Lion – A longa estrada para casa” (2016) entra no cinema bíblico na personagem de Maria de Magdala. Uma mulher em caminho de transformação que se encontra com o movimento de Jesus, que se converterá no seu novo lar. Filmado como uma superprodução e com o estilo ágil de Davis.

 

Tinker
Realização: Sonny Marler | EUA | 2017

Um fazendeiro solitário que se recusa a ter família pelo seu triste passado descobre um diário secreto que vem do seu pai e que contém os segredos de Nikola Tesla. Neles se descreve uma máquina que ajuda a fazer crescer rapidamente os cultivos e pode revolucionar o mundo. Como pano de fundo, o seu melhor amigo é um indígena americano. O que se coloca é um problema de manipulação da Criação. Até onde se pode chegar?

 

Lady Bird
Realização: Greta Gerwig | EUA | 2017 | Comédia, drama | Estreia em Portugal: 19 de abril

Combate entre uma filha e a sua mãe. Ela quer voar e a progenitora quer que tenha os pés no chão. As discussões são constantes, com o pai a colocar-se, secretamente, do lado da filha. As feridas acompanham a família. Onde curar a dor?

 

Paulo, apóstolo de Cristo
Realização: Andrew Hyaat | EUA | 2017

Dentro do cinema bíblico dos EUA, Hyatt já nos ofereceu “Cheia de graça” (2015), sobre Maria de Nazaré. Agora enfrenta o momento de formação das primeiras comunidades cristãs a partir da figura de Paulo de Tarso, interpretado por James Faulkner. Junto a ele está o seu amigo Lucas, o evangelista. Paulo, prisioneiro, recorda a sua vida e enfrenta os pecados da juventude, enquanto que Lucas recolhe dados para os seus escritos.

 

Duas mulheres
Realização: Martin Provost | França | 2017

Nunca é tarde para o perdão e a reconciliação. Esta comédia dramática sobre o reencontro de duas mulheres opostas, ainda que unidas pelo passado que partilharam, permite olhar para a vida numa perspetiva otimista. Uma Catherine Deneuve magistral em cumplicidade com Catherine Frot, que interpreta uma parteira que vive feliz até que tudo começa a falhar. Duelo de atrizes que convida à mudança e à renovação, liderada por um cineasta experiente em retratos de mulheres.

 

O caso de Cristo
Realização: Jon Gunn | EUA | 2017

História baseada em factos reais de um jornalista ateu (Lee Strobel) que aplica a sua experiência de investigador para questionar a fé da sua esposa enquanto tenta salvar um casamento em colapso. Os resultados da sua busca levá-lo-ão a tornar-se cristão dentro do fundamentalismo. O filme navega entre a ficção e a argumentação, mas a verdade é que não leva a bom porto nenhuma das duas.

 

Song to song
Realização: Terrence Malick | EUA | 2017

Dois triângulos amorosos interrelacionados, perseguindo cada um deles, de maneira semelhante, o sucesso no mundo da música. Nesta corrida de ambições e seduções aparece o pior dos seres humanos. Ryan Gosling, Rooney Mara, Michael Fassbender e Natalie Portman sob a câmara nervosa e contemplativa de Malick, estão acorrentados numa trama onde é difícil ser uma boa pessoa

 

O insulto
Realização: Ziad Doueiri | Líbano | 2017

Um cristão libanês rega as plantas da sua varanda e a água cai acidentalmente sobre Yasser, um palestino, que insulta o seu vizinho. Aí começa um julgamento que chegará a todo o Líbano. Espreita o pavio do confronto na sociedade multirracial e multirreligiosa. A culpa e as desculpas misturam-se numa amálgama onde as responsabilidades se multiplicam e propagam como uma doença. Onde está o diálogo?

 

O equilíbrio
Realização: Vincenzo Marra | Itália | 2017

História de um padre sob a ótica de uma figura crística. Giuseppe, que foi missionário em África, quer deixar Roma para regressar à sua terra, onde assume uma paróquia de bairro, substituindo o P. Antonio. Porém, a mudança de pároco supõe um desafio para uma sociedade que guarda demasiados segredos. Debaixo da sombra do livro “Diário de um pároco de aldeia”, de Bernanos, o padre deste filme vê-se envolvido em graves conflitos, mas a sua fé e humanidade permanecem. Uma gota de água em terra queimada.

 

Jeannete, a infância de Joana d’Arc
Realização: Bruno Dumont | França | 2017

Surpreendente musical sobre a infância de Joana d’Arc apresentado no último Festival de Cannes. Entre irreverente e confessional, filmado com grande austeridade com fundos naturais e atores não profissionais, a proposta chega a comover. Contada como um díptico, na primeira parte Joana enfrenta uma crise de fé e reflete sobre como ajudar a sua gente; na segunda parte ela propõe-se liderar a luta do seu povo contra a invasão inglesa. Tudo isto com a música “heavy metal” de Igorr, músico cristão de vanguarda.

 

Peio Sánchez
Diretor do Departamento de Cinema da arquidiocese de Barcelona, Espanha
Fonte: Religión Digital
Trad.: SNPC
Publicado em 03.01.2018